Roteiro de Adoração ao Santíssimo para a Pastoral da Família

Animador:  Irmãos e irmãs, sejam todo as bem-vindos e acolhidos por Deus, para este momento de oração e adoração ao Santíssimo Sacramento pelas nossas famílias. Rezemos para que “as famílias continuem sendo berço onde nasce a vida humana abundante e generosamente, onde se acolhe, se ama, se respeita a vida desde a sua concepção até o seu fim natural”

Cântico:

Senhor, quem entrará no santuário pra Te louvar? / Quem tem as mãos limpas e o coração puro /Quem não é vaidoso e sabe amar

Senhor, eu quero entrar no santuário pra Te louvar/ Ó dá-me mãos limpas, e um coração puro/Arranca a vaidade, ensina-me amar

Senhor, já posso entrar no santuário pra te louvar/ Teu sangue me lava, Teu fogo me queima/ O Espírito Santo inunda meu ser

Dirigente: Em nome do Pai...

Todos: Amém

Dirigente:  Graças e louvores se dêem a todo momento.

Todos: Ao Santíssimo e Diviníssimo Sacramento

Animador: Queridos irmãos e irmãs. Nesta Adoração, queremos refletir sobre os desafios que a Família está exposta, como: o desemprego, a doença, o luto, as drogas, a falta de tempo entre marido e mulher, dos pais para com os filhos e de todos para com Deus, e assim elevar até o Pai Celeste o nosso clamor pela família célula mater da sociedade, para que ela seja realmente dom e compromisso, casa e escola de comunhão. Fonte de onde nascem os valores cristãos que são pilares indispensáveis na edificação de toda pessoa humana, segundo o projeto do Criador. Pois é da Família que tudo brota, é nela que o homem aprende a dar seus primeiros passos de cristão para depois vivenciar numa comunidade.

Todos: Eu acredito na família

 (De Joelhos)

 Motivação

 Animador:   Rezemos, diante do Santíssimo Sacramento, oremos por nossas famílias que tanto sofrem no mundo de hoje:

Leitor 1: Oremos, pelo homem e pela mulher criados por Deus à sua imagem e semelhança para que acolham com fidelidade e amor os desígnios de Deus a respeito do matrimônio e da família.

Leitor 2: Oremos, pelo pais primeiros catequistas dos filhos, onde o casal Pai e Mãe, homem e mulher, ensinam e testemunham a fé cristã, formando os filhos nesta mesma fé e os tornando solidários.

Leitor 3: Oremos, pela família geradora de uma sociedade nova, primeira escola de virtudes sociais e dos verdadeiros valores humanos e cristãos.

Leitor 4: Oremos, pelos nossos governantes e políticos para que estes trabalhem por políticas públicas que valorizem a família e que contribuam para construção de um futuro melhor para a juventude e o bem-estar da infância.

Cantemos: Gloria a Jesus, na hóstia santa/que se consagra sobre o altar/e aos nossos olhos se levanta/para o Brasil abençoar.

Que o santo Sacramento. Que é o próprio Cristo Jesus. Seja adorado e seja amado nesta terra de Santa Cruz (3x).

Dirigente:   Graças e louvores se dêem a todo momento.

Todos:         Ao Santíssimo e Diviníssimo Sacramento

MOMENTO DE ADORAÇÃO.

(Silêncio) (sentados)

Canto:

Senhor, eu sei que é teu este lugar, todos querem te adorar, toma tu a direção. Sim oh vem o Santo Espírito os espaços, preencher. Reverência a tua voz vamos fazer.

Podes reinar, Senhor Jesus, oh sim, o teu poder teu povo sentirá. Que bom Senhor, saber que estás presente aqui, reina, Senhor neste lugar.

Visita cada irmão, oh, meu senhor, dá-lhe paz interior e razões pra te louvar. Desfaz toda tristeza, incerteza, desamor, glorifica o Teu nome, oh meu Senhor.

Escutando a Palavra – (Gn 1, 26-31; 2, 1-4a). 

(Em Pé)

26 Então Deus disse: «Façamos o homem à nossa imagem e semelhança. Que ele domine os peixes do mar, as aves do céu, os animais domésticos, todas as feras e todos os répteis que rastejam sobre a terra». 27 E Deus criou o homem à sua imagem; à imagem de Deus ele o criou; e os criou homem e mulher. 28 E Deus os abençoou e lhes disse: «Sejam fecundos, multipliquem-se, encham e submetam a terra; dominem os peixes do mar, as aves do céu e todos os seres vivos que rastejam sobre a terra». 29 E Deus disse: «Vejam! Eu entrego a vocês todas as ervas que produzem semente e estão sobre toda a terra, e todas as árvores em que frutos que dão semente: tudo isso será alimento para vocês. 30 E para todas as feras, para todas as aves do céu e para todos os seres que rastejam sobre a terra e nos quais respiração de vida, eu dou a relva como alimento». E assim se fez. 31 E Deus viu tudo o que havia feito, e tudo era muito bom. Houve uma tarde e uma manhã: foi o sexto dia.

Assim foram concluídos o céu e a terra com todo o seu exército. 2 No sétimo dia, Deus terminou todo o seu trabalho; e no sétimo dia, ele descansou de todo o seu trabalho. 3 Deus então abençoou e santificou o sétimo dia, porque foi nesse dia que Deus descansou de todo o seu trabalho como criador.4a Essa é a história da criação do céu e da terra.

Animador:      Reflitamos agora sobre o que a palavra de Deus nos revelou hoje e num ato de adoração contemplemos o Nosso DEUS neste Sacramento. Este Deus que nos fez homem e mulher à sua imagem, que nos pediu para sermos família rosto de Deus no mundo.

Leitor 1:Deus disse: façamos o homem”. A narração apresenta a criação do homem, varão e mulher, como fruto e obra de Deus. Deus cria o homem, trabalhando como o oleiro que plasma o barro (cf. Gn 2, 7).  E também quando deu vida ao seu povo Israel, libertando-o da escravidão, e conduzindo-o rumo à terra prometida. A obra de Deus assemelhar-se-á ao trabalho do pastor, que conduz o seu rebanho (cf. Sl 77, 21).

Todos: “Eu quero ser Senhor amado, Como um vaso nas mãos do oleiro. Quebre a minha vida e faça de novo. Eu quero ser, eu quero ser, um vaso novo.

Leitor 2: A obra criadora de Deus realiza-se na sua Palavra: Deus disse: “Façamos o homem à nossa imagem e semelhançaE Deus criou o homem à sua imagem…”  Ele contempla aquilo que tinha feito, até captar o seu esplendor, e alegra-se diante da beleza do bem que Ele criou. Quem ainda sabe admirar-se diante das maravilhas do mundo, revive de alguma maneira o júbilo de Deus.

 Leitor 3. A palavra que acompanha a criação de Deus não pode faltar também ao homem que trabalha: jamais deveria acontecer que o trabalho sufoque o homem, a ponto de o reduzir ao silêncio da opressão! Desprovido do direito de palavra, o trabalhador desce à condição de escravo, a quem é impedido de alegrar-se pelo seu trabalho, porque todo o fruto lhe é tomado pelo patrão.

 Todos: Para poder viver, o homem deve trabalhar, mas as condições de trabalho devem suprir suas necessidades, promovendo a sua dignidade de pessoa.

(Silêncio – sentados)

Animador:      O mercado de trabalho globalizado, obriga muitas pessoas, principalmente os jovens e mulheres, a situações de incertezas constantes, impedindo-os de trabalharem com estabilidade e segurança. Isso deixa de garantir às jovens gerações a formação de uma família, e às famílias, a geração e a educação dos seus filhos.

(Em pé)

Todos:  Senhor dai-nos um emprego ou meios de sustentar nossa família honestamente. Óh Senhor, não te pedimos riqueza, mas dignidade para nossa vida.

MOMENTO DE AGRADECIMENTO

Dirigente: “Família torna-te aquilo que és”.

 Leitor 1: te agradecemos a Senhor, por esta hora em tua Santíssima presença. Por acolher nossas famílias, orientar com Vossa Palavra, e nos animar com a Eucaristia. Agradecemos por ajudar as nossas famílias a serem reflexo da Sagrada Familia de Nazaré, verdadeiras fontes de amor e vida.

Cantemos: Tu és Senhor o meu Pastor, por isso nada em minha vida faltará…

 Leitor 2: te agradecemos a Senhor pelos nossos sacerdotes, que se dedicam à nobre causa da família. Confortai-os e ajudai-os sempre! Obrigado porque em cada um deles nossas famílias podem encontrar o conselho, conforto e o carinho de pai que nos orienta na nossa vida conjugal e familiar.

Cantemos: Tu és Senhor o meu Pastor, por isso nada em minha vida faltará…

 Leitor 3: Te agradecemos Senhor por todos os agentes de Pastorais, movimentos e associações e serviços de nossa Diocese que no espírito da Renovação Paroquial se empenham em viver a unidade como Pastoral de Conjunto, levando às nossas famílias a esperança e defendendo a vida em todas as suas etapas. 

Cantemos: Tu és Senhor o meu Pastor, por isso nada em minha vida faltará…

 Animador: “Deus disse-lhes… enchei a terra e submetei-a”. A criação “muito boa” é chamada à colaborar com o projeto do Criador. O trabalho do homem reveste-se num verdadeiro lugar de santificação. Transformando a realidade, ele reconhece que o mundo vem de Deus, que o convida a completar a obra iniciada. Isto significa, por exemplo, que o desemprego priva as famílias dos meios de sustento necessários, impedindo que o homem tenha vida plena. O trabalho não deve submeter o homem, mas o homem, através do trabalho, é chamado a “submeter” a terra (cf. Gn 1, 28).

 Todos: Para esta finalidade, hoje muito mais que no passado, não podemos esquecer que “a terra nos foi confiada por Deus como um jardim a apreciar e a cultivar” (cf. Gn 2, 7). Então ajuda-nos Senhor a sermos abertos à VIDA.

 Leitor 1: O uso responsável dos recursos da terra, em ordem a um desenvolvimento sustentável, é uma “questão ecológica”, portanto, de primeiro plano. Estudar políticas industriais, agrícolas e urbanas, que coloquem o homem no centro, e a defesa “da criação”, é a condição básica para garantir às famílias, já hoje e de maneira especial no futuro, um mundo habitável e hospitaleiro.

Canto:  com carinho, desenhei este planeta; com cuidado, aqui plantei o meu jardim. Com alegria, eu sonhei um paraíso, para a vida dom de amor que não tem fim. (CF 2010)

 Leitor 2: E Deus descansou no sétimo dia (Gn 2,3b). Este descanso recorda ao homem a necessidade de suspender o trabalho, para que a sua vida religiosa, pessoal, familiar e comunitária, não seja sacrificada aos ídolos do acúmulo da riqueza, do progresso da carreira, e do incremento do poder.

Canto: Como é bom ter a minha família, como é bom! / Vale a pena vender tudo o mais para poder comprar. / Esse campo que esconde um tesouro, que é puro dom, / é meu ouro, meu céu, minha paz, minha vida, meu lar.

 Leitor 3: Além das relações de trabalho, é preciso tempo para também cultivar as relações familiares, sociais, religiosas e de amizades. Entretanto, os ritmos de trabalho estabelecidos pela economia consumista, limitam até quase anular, especialmente no caso de certas profissões, os espaços de convivência, sobretudo em família.

Canto: Como é bom ter a minha família, como é bom! / Vale a pena vender tudo o mais para poder comprar. / Esse campo que esconde um tesouro, que é puro dom, / é meu ouro, meu céu, minha paz, minha vida, meu lar.

(Silêncio – de Joelhos)

MOMENTO DE PERDÃO

 Animador: Senhor neste momento queremos como família, colocar diante de ti tudo aquilo que nos machuca e nos afasta de Ti.

 Leitor1: Senhor pelas tantas vezes que não tenho disposto meu tempo para ouvir minha família.

Cantemos: Eu preciso ser amado. E amar, ser perdoado. O caminho é Jesus, o caminho é Jesus, o caminho é Jesus…

Leitor 2: Senhor pelas vezes que não fui bom filho ou filha, sendo áspero com meus pais, cobrando deles aquilo que muitas vezes sabia que não podiam me dar.

Cantemos: Eu preciso ser amado. E amar, ser perdoado. O caminho é Jesus, o caminho é Jesus, o caminho é Jesus…

Leitor 3: Senhor pelas vezes que não te demos atenção fazendo nossa oração em família, porque demos mais importância aos programas da TV, à internet, ou outras coisas que perto da tua grandeza não são nada.

Cantemos: Eu preciso ser amado. E amar, ser perdoado. O caminho é Jesus, o caminho é Jesus, o caminho é Jesus…

(Em pé)

Animador: “Façamos o homem à nossa imagem e semelhança”.  Criado à imagem e semelhança de Deus (cf. Gn 1, 26) o homem, como Deus, trabalha e descansa. O tempo tranquilo do descanso e jubiloso da festa é também o espaço para dar graças a Deus, Criador e Salvador.

Todos: O homem religioso imita o repouso de Deus e descansa semanalmente para agradecer e dar glória a Deus pela criação.

 Leitor 1: Descansando em Deus, os homens encontram também a justa medida do seu trabalho. O trabalho está ao serviço dos vínculos mais profundos que Deus quis para a criatura humana. O pão que se ganha trabalhando não é só para si mesmo, mas doa sustento aos seus. Através do trabalho, os cônjuges nutrem a sua relação e a vida dos seus filhos.  

Todos: O trabalho é gesto de justiça com que as pessoas participam no bem da sociedade e contribuem para o bem comum. Retribui-se assim através dos dons pessoais, das vocações os serviços prestados ao próximo.

Leitor 2: Os ritmos de trabalho frenéticos, as viagens para ir ao trabalho e voltar para casa, reduzem drasticamente o espaço de convivência e partilha entre os cônjuges e a possibilidade de estar com os filhos.

Canto: Eu vim para que todos tenham vida, que todos tenham vida plenamente (2X)

Animador: Deus abençoou-os…” Da narração, sobressai uma estreita ligação entre o amor conjugal e a atividade de trabalho: com efeito, a bênção de Deus diz respeito à fecundidade do casal e à sujeição da terra. Esta dúplice bênção convida a reconhecer a bondade da vida familiar e da vida de trabalho.

Leitor 1: A bênção é dada aos cônjuges a fim de que sejam fecundos e se beneficiem da fecundidade da terra. Abençoada por Deus, a família é chamada a reconhecer os dons que recebe. Um modo concreto para recordar a obra benéfica de Deus, origem de todo o bem, é a oração de bênção que a família recita à hora das refeições. Reunir-se para louvar a Deus e para lhe dar graças pelo alimento é um gesto tanto simples, quanto profundo:  é a expressão da gratidão ao Pai Celeste.

Canto: Abençoa Senhor as famílias amém, abençoa Senhor a minha também…

Leitor 2: O sentido do descanso e do trabalho. É particularmente urgente no nosso tempo lembrar que o dia do Senhor é também o dia de repouso do trabalho. Desejamos vivamente que isto seja reconhecido também pela sociedade civil, de modo que se possa ficar livre das obrigações laborais sem ser penalizado por isso, principalmente no DIA DO SENHOR.

Todos: O domingo, dia do descanso, não se configura como um intervalo ao cansaço, a preencher com atividades frenéticas ou experiências extravagantes, mas sim como o dia do descanso que abre ao encontro, leva a redescobrir o outro e permite dedicar tempo às relações em família e com os amigos e à oração. O trabalho é para o homem e não o homem para o trabalho.

Leitor 2: Diz o Papa Bento XVI:  “o trabalho reveste uma importância primária para a realização do homem e o progresso da sociedade; por isso torna-se necessário que aquele seja sempre organizado e realizado no pleno respeito da dignidade humana e ao serviço do bem comum. Ao mesmo tempo, é indispensável que o homem não se deixe escravizar pelo trabalho, que não o idolatre pretendendo achar nele o sentido último e definitivo da vida”. (Homilia na solenidade de São José, 19 de março de 2006).

Todos: “É no dia consagrado a Deus que o homem compreende o sentido da sua existência e também do trabalho”. (Cf. Compêndio da Doutrina Social da Igreja, n. 258).

(Silêncio – sentados)

MOMENTO DE PEDIR (Em pé)

Animador: Vamos neste último momento de nossa adoração, pedir ao Senhor da Vida para que a Família viva a alegria de ser a primeira escola da fé e de valores humanos e cristãos, comprometida com a evangelização através do anúncio e testemunho da vivência cristã e do Sacramento do Matrimônio, Igreja Doméstica onde a vida é acolhida e celebrada com amor.

Leitor 1: Queremos pedir pelos nossos sacerdotes, promotores da família como sinal do Reino de DEUS aqui na Terra, de onde brota a vida humana plena e digna para todos, fonte de vocações para Igreja e para o mundo.

Cantemos: Ilumina, ilumina. Nossos pais, nossos filhos e filhas! Ilumina, ilumina. Cada passo das nossas famílias!

Leitor 2: Queremos pedir pelas nossas crianças, para que tenham um lar e sejam acolhidas no seio de uma família, onde pais e filhos possam viver com dedicação no amor, na convivência fraterna, na ajuda mútua, podendo com isso estender a mão à outras famílias menos favorecidas.

Cantemos: Ilumina, ilumina. Nossos pais, nossos filhos e filhas! Ilumina, ilumina. Cada passo das nossas famílias!

Leitor 3: Queremos te pedir Senhor pelos nossos jovens, para que busquem e encontrem sempre em sua família, o conselho, o carinho, a compreensão e o modelo necessários para seu amadurecimento físico e espiritual.

Cantemos: Ilumina, ilumina. Nossos pais, nossos filhos e filhas! Ilumina, ilumina. Cada passo das nossas famílias!

Leitor 4: Queremos te pedir Senhor pelos nossos idosos, para que eles tenham o carinho a compreensão e o conforto de um lar, que seus familiares não os descartem como objetos que já não servem mais, e que também não sejam explorados sendo vistos somente como fonte de renda.

Cantemos: Ilumina, ilumina. Nossos pais, nossos filhos e filhas! Ilumina, ilumina. Cada passo das nossas famílias!

MOMENTO FINAL

 Leitor 1: Nós Te louvamos Senhor, porque como Igreja Doméstica, somos uma pequena comunidade de fé católica, ouvindo e acolhendo a tua Palavra através das escrituras e do Magistério da Igreja, por isso cantemos:

T.: Eu te louvarei Senhor de todo o meu coração, na presença dos anjos a Ti cantarei, louvores….

 Leitor 2: Nós Te louvamos Senhor, por teres nos chamado à vida e pelo Seu Filho Nosso Senhor Jesus Cristo através do nosso Batismo ter nos tornado seus filhos também. Cantemos.

T.: Eu te louvarei Senhor de todo o meu coração, na presença dos anjos a Ti cantarei, louvores….

Leitor 3: Nós Te louvamos Senhor, pela família que nos deste, berço da fé católica, onde recebemos nossos primeiros ensinamentos da vida cristã.      Cantemos.

T.: Eu te louvarei Senhor de todo o meu coração, na presença dos anjos a Ti cantarei, louvores….

Leitor 4: Nós Te louvamos Senhor pelo Teu Filho, o grande Sacerdote, e também pelos sacerdotes e Diáconos chamados do meio do povo para “in Persona Cristo” ministrarem os sacramentos nos proporcionado o caminho para a santificação como pessoas e famílias. Cantemos.

T.: Eu te louvarei Senhor de todo o meu coração, na presença dos anjos a Ti cantarei, louvores

Cântico Tão Sublime Sacramento:

 Tão sublime Sacramento, adoremos neste altar, pois o Antigo Testamento deu ao Novo seu lugar. Venha a Fé, por suplemento os sentidos completar.

Ao eterno Pai cantemos e a Jesus, o Salvador. Ao Espírito exaltemos na Trindade, Eterno Amor. Ao Deus Uno, e Trino demos a alegria do louvor. Amém, Amém.

Canto para escolher.

Senhor quando te vejo no sacramento da comunhão. Sinto o céu se abrir e uma luz a me atingir. Esfriando minha cabeça e esquentando meu coração. Senhor, graças e louvores sejam dados a todo momento. Quero te louvar na dor, na alegria e no sofrimento. E se em meio a tribulação, eu me esquecer de Ti. Ilumina minhas trevas comTua luz.

Jesus, fonte de misericórdia que jorra do templo. Jesus, o Filho da Rainha. Jesus, rosto divino do homem. Jesus, rosto humano de Deus.

Canto Final –  Oração pela Família do Padre Zezinho.

Que nenhuma família comece em qualquer de repente. Que nenhuma família termine por falta de amor. Que o casal seja um para o outro de corpo e de mente. E que nada no mundo separe um casal sonhador!

Que nenhuma família se abrigue debaixo da ponte. Que ninguém interfira no lar e na vida dos dois. Que ninguém os obrigue a viver sem nenhum horizonte. Que eles vivam do ontem, do hoje em função de um depois!

Que a família comece e termine sabendo onde vai. E que o homem carregue nos ombros a graça de um pai. Que a mulher seja um céu de ternura, aconchego e calor. E que os filhos conheçam a força que brota do amor!

Abençoa, Senhor, as famílias! Amém! Abençoa, Senhor, a minha também (bis)

Que marido e mulher tenham força de amar sem medida. Que ninguém vá dormir sem pedir ou sem dar seu perdão. Que as crianças aprendam no colo, o sentido da vida.

Que a família celebre a partilha do abraço e do pão! Que marido e mulher não se traiam, nem traiam seus filhos! Que o ciúme não mate a certeza do amor entre os dois!

Que no seu firmamento a estrela que tem maior brilho, seja a firme esperança de um céu aqui mesmo e depois! Que a família comece e termine sabendo onde vai

E que o homem carregue nos ombros a graça de um pai. Que a mulher seja um céu de ternura, aconchego e calor. E que os filhos conheçam a força que brota do amor!

Abençoa, Senhor, as famílias! Amém! Abençoa, Senhor, a minha também (bis)

<< Voltar