Campanha da Fraternidade

Quarta-feira de Cinzas Fraternidade e Vida: Dom e Compromisso “Viu , sentiu compaixão e cuidou dele” ( Is 10,33-34)

DESPERTAR PARA A PRÁTICA DO CUIDADO

A Campanha da Fraternidade deste ano quer motivar nossas comunidades e toda a sociedade brasileira para a prática do cuidado. Mas cuidar de quem? Trata-se do cuidar das pessoas, cuidar das famílias, cuidar da sociedade e do planeta, nossa casa comum. Um cuidar “plugado” nas mais diversas realidades que exigem envolvimentos de cuidados. Um cuidado que se efetua na presença diante daquela ou daquele que precisa. Perceber o sentido da vida de modo amplo e conectado com tudo o que cerca a nossa existência.

Em nossas relações pessoais, nos ambientes de trabalho, nos espaços educacionais, percebemos a “globalização da indiferença”. Rodeados por tantas tecnologias, de rápida comunicação – em segundos somos informados de fatos ocorridos em outras partes do mundo –, já parecemos não ser capazes de perceber a desumana dor do outro ao nosso lado. Eis o grau da nossa desumanidade.

A Campanha da Fraternidade (que é sempre realizada no tempo da Quaresma) busca destacar, este ano, a vida como dom e compromisso. Seu sentido consiste em ver, solidarizar-se e cuidar. Não é razoável passar a vida cuidando somente do que “me pertence”, do que é “meu”. Não podemos viver sem perceber a vida
do outro e seu sofrimento. Não há cristianismo sem o gesto de solidariedade, sem compaixão, sem experimentar que a dor do outro é a minha própria dor.

O exemplo maior e melhor de um gesto de compaixão, de solidariedade, de sentir e expressar o cuidado diante da pessoa que sofre vemos na atitude de Jesus, quando, em diálogo com o perito da Lei, respondeu à questão sobre saber quem é o próximo (cf. Lc 10,36). A proximidade daquele que sofre não se definiu no universo

das ideias, do imaginário ou por meio de um discurso. A definição sobre saber quem é o “meu próximo” se estabeleceu no socorro à pessoa caída na beira da estrada. O samaritano “viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34) – lema da CF deste ano. Já não passou do momento de fazermos o mesmo, todas as vezes que a vida se encontra ameaçada diante de nós?

Pe. Antonio C. Frizzo
Diocese de Guarulhos – Assessor do Regional Sul I da CNBB

<< Voltar