Décimo Oitavo Domingo do Tempo Comum

Nosso Deus é o Deus que dá vida a todos. Todavia, num sistema social como o nosso, aquilo que costumamos chamar de vida está concentrado nas mãos de poucos. A ganância vai apertando a garganta do povo, tornando sua vida insuportável.

Na Eucaristia Jesus nos diz: “Tomai e comei, tomai e bebei todos”. O corpo e sangue de Cristo que partilhamos querem nos conduzir a uma realidade onde todos tenham acesso aos bens da vida. Enquanto celebramos nossa fé, celebramos também as lutas de todos os que esperam sociedade igualitária e fraterna, sinal da comunhão plena entre Deus e suas criaturas.

Eclesiastes 1,2;2,21-23 – A vida do povo tornou-se insuportável por causa da ganância dos grandes.Título de todo o livro. Coélet pode ser nome próprio ou de alguém que fala à comunidade reunida. O autor se personifica como o rei Salomão.

Há quem pense que o muito trabalho poderá assegurar felicidade e realização. Porém, de que vale fatigar-se para acumular coisas que a própria pessoa não conseguirá desfrutar? No fim, tudo fica para outros que, em geral, não fizeram esforço nenhum.

Colossences 3,1-5.9-11: Construtores de uma nova sociedade.  Paulo não despreza as realidades terrestres. «Procurar as coisas do alto» significa descobrir a vida nova revelada em Jesus Cristo. O cristão já participa da vida que Jesus vive no mistério de Deus. Essa participação deve crescer e concretizar-se cada vez mais na história; quando Jesus estiver plenamente manifesto através do testemunho dos cristãos, então essa participação também se tornará completamente manifesta. Estes, conhecendo a vida de Cristo, são capazes de discernir e criticar tudo o que não conduz à plena realização humana. Na comunidade cristã, semente da nova humanidade, não se admitem distinções de raça, religião, cultura ou classe social: todos são iguais e participam igualmente da vida de Cristo.

Lucas 12,13-21: A ganância impossibilita a vida do povo. No caminho da vida, o homem depara com o problema das riquezas. Jesus mostra que não vale apena acumular bens para assegurar a própria vida. Só Deus pode dar ao homem a riqueza que é a própria vida.

<< Voltar