Epifania

Em Jesus, a salvação é oferecida a todos

A festa da Epifania é a grande convocação e raças encontrem forças para tomar humano e fraterno o nosso mundo. Essa é, no fundo, a expectativa de Deus que transparece em toda a Bíblia. Mas que transparece em toda a Bíblia. Mas é em Jesus que ela toma corpo e forma, aparecendo como proposta oferecida a todos. Contudo, a ganância e o desejo de poder – presentes no Herodes do tempo de Jesus e nos Herodes de todos os tempos – tentam sufocar essa esperança. Porém, os homens de boa vontade têm uma “estrela”, não cessam de “sonhar” um caminho alternativo, que não passa pelos poderosos, mas nasce do menino-pastor. Essa caminhada é cheia de dificuldades, mas é Deus quem a ilumina, gerando forças e vida nova.

Isaias 60,1-6 – Deus sustenta a caminhada da comunidade –Cântico que manifesta a esperança da total restauração de Jerusalém. Javé habita a cidade santa e, de todos os lados, vêm os judeus dispersos, os mercadores e os povos; o Templo é reconstruído, reina a paz, e a glória de Javé irradia-se por todo o universo. Cf. Ap 21,9-22,5.

Matheus 2, 1-12 – Como se posicionar diante de Jesus? Jesus é o Rei Salvador prometido pelas Escrituras. Sua vinda, porém, desperta reações diferentes. Aqueles que conhecem as Escrituras, em vez de se alegrarem com a realização das promessas, ficam alarmados, vendo em Jesus uma séria ameaça para o seu próprio modo de viver. Outros, apenas guiados por um sinal, procuram Jesus e o acolhem como Rei Salvador. Não basta saber quem é o Messias; é preciso seguir os sinais da história que nos encaminham para reconhecê-lo e aceitá-lo. A cena mostra o destino de Jesus: rejeitado e morto pelas autoridades do seu próprio povo, é aceito pelos pagãos.

Efesios 3,2-6 – O projeto de Deus é para todos – O mistério é o centro do anúncio de Paulo, e está inseparavelmente ligado à sua vocação de missionário entre os pagãos. Esse mistério é o projeto de Deus, que se realizou em Jesus Cristo e que manifesta toda a sua grandeza na Igreja, mediante o ministério de Paulo: os pagãos são chamados a pertencer ao povo de Deus.

Reflexão – A festa da Epifania é a revelação da bondade do Deus que deseja salvar a todos. Contudo, ele é salvação se a comunidade se posicionar positivamente, em sintonia com a salvação que é oferecida a todos. Os textos de hoje, portando oferecem: um convite à comunidade para que saia da prostração e cegueira em que jaz, para perceber e sentir a presença do Deus que a transforma a partir de dentro (I leitura).

Uma oportunidade para o discernimento: a salvação não vem dos poderosos, mas do menino-pastor, o poder popular que atende às reivindicações dos excluídos. Quem entende a lógica do Deus que nasce na periferia do mundo será capaz de uma ação que desestabiliza os Herodes de hoje. O nosso caminho passa por esses Herodes, ou tem outra “estrela”, outros “sonhos” para mudar a sociedade? (evangelho) A comunidade que vive a mensagem de Jesus, como Paulo a viveu, torna-se missionária pelo fato de não excluir  ninguém. (iI leitura)

<< Voltar