Oitavo Domingo do Tempo Comum

Não vos preocupes com o dia de amanhã

Muitas vezes o povo de Israel, durante períodos de sofrimento, duvidou do profeta, que  o amor de Deus pelo povo é maior que o amor de uma mãe pelo filho (Is 49,15). Deus  jamais abandona a criatura que foi chamada à vida por amor. Contudo, com muita facilidade as pessoas duvidam do amor e da assistência de Deus. Por isso, no evangelho, Jesus, o revelador por excelência do amor de Deus, garante-nos: Não vos preocupeis, vosso Pai cuida de vós (Mt 6,25). A segunda leitura nos diz que Deus manifestará as intenções dos corações (1Cor 4,5). Geralmente, o que angustia os corações é motivado pelas ambições, pelo hiperativismo e por outros interesses que tomam o tempo das pessoas e lhes dificultam um encontro pessoal com o Deus de amor.

Olhai os lírios do campo

Isaias 49,14-15 – O carinho de Deus para suas criaturas – O povo está no exílio babilônico e não acredita que Deus o há de reconduzir. O profeta já argumentou com o poder de Deus (Is 45 e 46). Agora aponta para o amor de Deus –  amor e ternura de uma mãe para seu filho . Is 40,27.

Matheus 6,24-34: Os lírios do campo – Ninguém pode servir a dois senhores (6,24). Quem coloca seu coração em Deus e conta seu amor, não será escravo de suas preocupações (6,25-34). Para isso é preciso procurar primeiro e antes de tudo o que Deus quer ( o Reino de Deus e sua justiça). A sincera busca da vontade de Deus nos torna realmente livres. Em 6,23 o dinheiro é citado como um dos possíveis ídolos que podem desestrutura   nossa vida. Mas há outros …  Lc 16,9-13.

1Coríntios 4,1-5 – Justificação do apóstolo diante de Deus, não diante dos homens – Os apóstolos não são os donos da comunidade ; são seus servos (ministérios). Mas a última palavra sobre este mistério compete só a Deus. Note a reticência de Paulo quanto a sua própria liberdade de culpa – Lc 12,42-44; 2Cor 5,10-11.

Mensagem – Devemos reconhecer a primazia do Reino e sua justiça, opção que fermentará um arranjo social novo, caracterizado pela partilha e igualdade entre todos. Outro tema é o da confiança, que deve brotar do compromisso com o Reino e suas conseqüências (evangelho), acreditando no Deus fiel que não decepciona. Nós, em medidas diversas , somos servidores e administradores dos mistérios de Deus (Reino), à semelhança de Paulo, e como tais, respondem com fidelidade. Não competem a ninguém julgar a respeito disso, função reservada ao Senhor Jesus

<< Voltar