Primeiro Domingo da Páscoa

O amor gera a fé, a fé gera o testemunho. A vida venceu a Morte

Anseios de vida nova, busca de um sentido para a própria existência, medo da morte enquanto fracasso, esperança do amor que tudo renova…tudo isso encontra sua razão de ser na ressurreição de Jesus (evangelho). Ela é o dinamismo que impulsiona a vida e ação dos que se comprometem com Cristo, de modo que se atue hoje a prática de Jesus de Nazaré ( I leitura). Essa prática exige discernimento, desapego, para que o cristão, ressuscitado com Cristo no Batismo, caminhe para plena realização (II leitura). A ressurreição de Jesus é demonstração de como pode ser plena a vida de todos os cidadãos que se empenham em transformar nossa sociedade.

João 20,1-9 : Pedro e o Discípulo Amado ao sepulcro – O testemunho pascal inclui dois elementos: 1) o sepulcro vazio, 2) as aparições do ressuscitado. O sepulcro vazio é um sinal (negativo). Só fala para quem tem o coração junto ao Senhor ( o discípulo amigo)

Atos 10,34-43: A fé em Cristo ressuscitado gera o testemunho. Querigma: anúncio da ressurreição – Resumo do anúncio dos apóstolos (querigma). A frase central é: Deus o ressuscitou. Esta é a base de nossa fé e esperança: Jesus vive, e Deus o estabeleceu juiz de vivos e mortos. O juiz é também o salvador: quem nele crê, é absolvido e recebe a vida.

Colossenses 3,1-4 : Viver junto ao Ressuscitado desde já – O que somos feito pelo batismo, também o devemos ser em nossa vida. Mas o batismo ultrapassa nossa existência no mundo: antecipa a vida sem morte, escolhida em Deus, com Cristo ressuscitado. Vivemos na expectativa da plena manifestação.

<< Voltar