Primeiro Domingo da Quaresma

As tentações de ontem e de hoje

A Quaresma era, nos seus inícios, um tempo forte de preparação para o batismo. Na Quaresma, a pessoa que tornaria cristã tinha a oportunidade de refletir mais e mais na nova vida que estava assumido, assim como nas dificuldades que haveria de enfrentar para ser fiel ao evangelho no meio de um mundo pagão.

Hoje a situação não é muito diferente para todos os que pretendem viver de modo cristão. Se nos inícios, para celebrarem a sua fé, aconteceu aos cristãos ter de se esconder nos subterrâneos das catacumbas, atualmente podem celebrar o mais sagrado dos seus ministérios diante das câmeras bisbilhoteiras da televisão. Isso, porém, não quer dizer que tenha ficado fácil viver hoje de maneira autenticamente cristã.

As tentações de reduzir o sentido da vida ao bem-estar, ao consumismo fácil e até ao desperdício, as tentações dos ídolos do dinheiro e do mercado e os da religião milagreira, que põe a fé a serviço de interesses pessoais, estão fortemente presentes hoje, mais até do que no passado. E esses demônios se vencem com o jejum, com a oração, pela fé e por uma práxis centrada no evangelho.

Jesus Resiste à Tentação

Deuteronômio 26,4-10 : O Credo do Israelita – Oração da oferenda safra, profissão de fé de Israel em Javé que livrou Israel da pobreza e opressão no Egito e o introduziu na Terra Prometida. Cada israelita entende a história pessoal e sabe-se chamado a uma resposta: um cesto cheio de frutos da Terra Prometida, mas também a alegria por tudo aquilo que Deus dá (26,11) – Dt 6,20-23

Lucas 4,1-13: A tentação de Jesus – 40 é um número cheio de lembranças: os anos de Israel no deserto, de Moisés e Elias no monte, os dias de Jesus no deserto, confirmando sua fé e fidelidade a Deus, com a força do Espírito e a inteligência das Escrituras, contra a tentação do antagonista. Lc enxerga atrás deste primeiro combate toda uma guerra: Satanás deixa Jesus “até o tempo determinado”, o tempo da grande provação, quando Satanás tomará conta de Judas e tentará Jesus no Jardim das oliveiras. Mas esse será também o momento da vitória de Jesus . – Mt 4, 1-11; Mc 1,12-13

Romanos 10,8-13 : O Credo do cristão – Se a fé de Israel se resume em: “Javé libertou Israel do Egito”, a do cristão em : “Deus ressuscitou Jesus dos mortos” (Rm 10,9), E a isso corresponde a proclamação: “Jesus é o Senhor”. Esta fé não se proclama da boca para fora; deve vir do coração, do mais íntimo sentir e pensar, da totalidade da pessoa (10,9). O espaço desta fé é a comunidade, mas também o mundo inteiro, pois todos têm o mesmo Senhor (10,12). Porém, só o poderão reconhecer se a mensagem lhes for transmitida de modo fidedigno. – 10,8-9. Dt 30,11-14.

<< Voltar