Quinto Domingo do Tempo Comum

O que é pescar gente?

Depois de manifestar ser programa – anunciar o ano do verdadeiro jubileu – e ser, então, rejeitado pelos seus conterrâneos,  Jesus segue o seu caminho. Agora ensina da barca de Simão e o chama para ser pescador de gente.

Pescar gente não é simplesmente trazer as pessoas para seu barco, o seu grupo, a sua instituição; é tirara as pessoas do poder da morte. As águas volumosas como o lago, o mar, eram relacionadas ao poder da morte e das forças do mal. O capítulo 21 do livro do Apocalipses, ao falar dos novos céus e nova terra, onde já não existe morte, nem luto, nem dor, diz: “o mar já não existe”.

Isaias 6,1-8 – Vocação de Isaias: prontidão – Ao adorar no Templo, Isaías experimenta a presença do Deus inacessível (6,1-4) e toma consciência de sua impureza diante do Sagrado (6,5). Mas Deus o purifica (6,6-7), para lhe conferir sua missão, que Isaias prontamente aceita (6,8). Por amor de Deus, terá que dirigir palavras duras ao povo do meio do qual ele é chamado. Ex 40,34-35

1Coríntios 15,1-11- O evangelho de Paulo: a Ressurreição de Cristo – 1 Cor 15,3-5 é a fórmula mais antiga do querigma cristão, o anúncio de Cristo morto e ressuscitado. Paulo inclui-se na lista das testemunhas, pois ele também viu o Senhor glorioso, no caminho de Damasco. Na fé da ressurreição baseia-se toda a esperança cristã. 1 Cor 11,2.23; Rm 6,3.

Lucas 5,1-11 – Pesca milagrosa e vocação dos primeiros discípulos – Encerrados os primórdios (Lc 3-4), começa agora a atividade de expansão da pregação de Jesus: a constituição do novo povo de Deus. Surge a figura de Simão Pedro. Seu barco é o púlpito de Jesus. É também o instrumento da pesca milagrosa, sinal daquilo que Jesus a mesma reação que Isaias no Templo e com igual prontidão que Isaias, segue o chamamento – Mt 4,18-22; Mc 1,16-20

<< Voltar