Segundo Domingo do Advento

“ Convertem-se,  o Reino do Céu está próximo “

O Cristo veio, vem e virá, é razão pela qual as comunidades se reúnem, animadas pela mesma fé. Ele nos acolhe para que “todos juntos, a uma só voz, glorifiquemos a Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo” . Em nossas celebrações aprendemos a nos acolher uns aos outros, como Cristo nos acolheu (II Leitura). E isso já faz parte do apelo   que é dirigido a todos neste dia: “ Convertam-se porque o Reino do Céu está próximo” ( evangelho). Convertemo-nos a Jesus Cristo em comunidade, mediante a prática da justiça que aponta para a realeza de Deus na terra. Convertemo-nos ao Espírito, que sopra onde quer, e sonhamos com dia em que o mundo todo estará unido em torno de uma única causa, independentemente de raça, língua ou credo: a causa da justiça. Se caminharmos nesse rumo seremos, desde agora, santa montanhosa de Javé ( I leitura).

I  leitura – Isaias 11,1-10 – Converter-se à prática da justiça é voltar ao paraíso

Isaías projeta para o reinado de Ezequias o ideal utópico de uma sociedade que chegou à realização plena (cf. 6,13; 7,14 e nota em 8,23b-9,6). Esse reinado se fundará no total espírito de Javé (sete dons), que fará surgir uma sociedade alicerçada na justiça, produzindo paz e harmonia. O Novo Testamento vê o cumprimento do oráculo na pessoa de Jesus (cf. Mt 3,16): é a partir da ação dele que se constrói o mundo novo, onde todas as coisas se reconciliam (Ef 1,10; Cl 1,20).

Evangelho – Mathues 3,1-12 – “ Converte-se, porque o Reino do Céu está próximo “

Os cristãos mais conscientes não devem usar sua força e prestígio para impor aos outros a própria opinião e conseguir poderes sobre a comunidade. Não foi esse o modo de proceder de Jesus Cristo, que veio para servir e dar a vida. O respeito e o bem do outro são o maior sinal do cristão consciente.

 O acolhimento mútuo no amor é o caminho para que as mentalidades diferentes não quebrem a união da comunidade. Assim fez Cristo, que acolheu judeus e pagãos num só povo. Além disso, a comunidade não deve julgar que o fato de pertencer ao povo de Deus seja privilégio que a separa dos outros; antes, é fonte de responsabilidade, pois a vocação da comunidade é acolher todos como irmãos, testemunhando assim o projeto divino de reunir todos os homens.

II leitura – Romanos 15, 4-9 – Converte-se à comunidade 

João Batista convida a uma mudança radical de vida, porque já se aproxima o Reino, que vai transformar radicalmente as relações entre os homens. É o tempo do julgamento, e nada adianta ter fé teórica, pois o julgamento se baseará nas opções e atitudes concretas que cada um assume. Os fariseus, com a falsa segurança de suas observâncias religiosas, e os saduceus, com suas intrigas políticas para conservar o poder, pertencem à estrutura que vai ser superada pelo Reino.

<< Voltar