Terceiro Domingo da Páscoa

A Criação Inteira louva o Cordeiro que esteve morto e agora vive

O núcleo da mensagem de Jesus era o reino de Deus. Mas a pregação dos apóstolos passou a ter como centro a vida e as palavras de Jesus, pois parir da sua morte e ressurreição tornou-se inconcebível pensar o reino de Deus sem fazer referencia aquele por meio do qual Deus exerce agora seu reinado. A expansão desse reino é inevitável quando se anuncia o evangelho, embora forças contrárias a sua propagandas tentem calar seus arautos. Ao final o Cordeiro será vitorioso, triunfando sobre o antirreino.

Jo 21,1-19 : Um tipo de morte que glorifica a Deus. O texto narra outra aparição de Jesus e tem como tema principal a missão da Igreja sob a guia do Ressuscitado.

O número sete significa perfeição, a que se reúne em torno do banquete (VV.9-13). Os protagonistas de cena, Pedro e o Discípulo Amado, são os mesmos que entraram no sepulcro vazio. Novamente, o Discípulo Amado, reconhece o Senhor. É o amor que precede esse são os mesmos que entraram no sepulcro vazio. Novamente, o Discípulo Amado reconhece o Senhor. É o amor que precede esse reconhecimento. Mas é Pedro, desta vez, que corre ao encontro do Senhor. É ele que toma a iniciativa de pescar. Assim, entrelaçam-se o reconhecimento e o serviço missionário representado na pesca. Os 153 peixes grandes simbolizam o grandioso sucesso da missão e seu caráter universal.

A Pedro é confiado a missão pastoral na Igreja. As perguntas são ligadas as negações. Sua resposta é humilde pois sabe de sua fraqueza e tem consciência de sua tarefa é fundada na graça.

Jesus apresenta a Pedro a total disponibilidade que o discípulo deve ter para o seguimento. Caminhar com Jesus é assumir também seu destino: o martírio. É um total dom de si.Esse dom só é possível para aquele que o ama. Esse amor incondicional

Atos 5,27b-32.40b-41: Dignos de sofrer pelo nome de Cristo. Os Apóstolos foram conduzidos ao Sinédrio e o sumo sacerdote os acusou de desobedecerem à proibição de proclamar o nome de Jesus.

Pedro disse que iria obedecer primeiramente a Deus e não a autoridades humanas. O Sinédrio, então, intimou os apóstolos a não falar mais no nome de Jesus. Mandou açoitá-los e soltá-los. Eles ficaram felizes por sofre em nome de Jesus.

Apocalipses 5,11-14 : O Cordeiro é digno de louvor e adoração. Este capítulo tem como tema central Jesus Cristo redentor, glorioso e vencedor, que traz em suas mãos os destinos da história. João contempla um número incontável de seres que proclamam a dignidade do Cordeiro. Os sete títulos (poder, riqueza, sabedoria, força, honra, glória e louvor) indicam a plenitude da dignidade e da obra redentora de Cristo e a perfeita glorificação.

<< Voltar