Trigésimo Segundo Domingo do Tempo Comum

Nosso Deus é o Deus dos vivos       

Anunciamos, Senhor, a vossa morte, e proclamamos a vossa ressurreição” . Este é o núcleo da fé que celebramos na Eucaristia e em comunidade a vitória de Jesus sobre a morte, apontando o caminho para a vida plena. Na luta pela vida, Deus tem a última palavra. Por isso é que celebramos com fé e alegria o triunfo de Jesus e dos mártires do passado e de hoje ( I Leitura).

Na Eucaristia  aprendemos o nosso Deus dos vivos que se deu a conhecer aos antepassados de Israel e às pessoas comprometidas com seu Filho Jesus. Com essas pessoas ele quer construir sociedade e mundo novos. As desgraças não partem de Deus, são consequências de um deus á imagem e semelhança dos interesses dos gananciosos (evangelho).

Na Eucaristia descobrimos a firmeza e resistência de Jesus , vencedor da morte. Por isso celebramos as vitórias de nossas comunidades e pedimos luz para entregar melhor por onde passa nosso compromisso na transformação do mundo(II leitura)

Texto do Pe José Bastolini

2 Macabeus 7,1-2.9-14 – Na luta pela vida, Deus tem a última palavra. É uma das páginas mais comoventes de toda a Bíblia, mostrando que o tempo de perseguição se torna ocasião de educar para o testemunho capaz de enfrentar até o sacrifício da própria vida. Aqui aparece, pela primeira vez e com clareza, a crença na ressurreição: esta se baseia na compaixão de Deus para com seus fiéis (v. 6), no poder de Deus que do nada e da morte é capaz de criar a vida

Lucas 20, 27-38 – Nosso Deus é o Deus dos vivos .  Jesus desmoraliza os saduceus, apresentando o cerne das Escrituras: Deus é o Deus comprometido com a vida. Ele não criou ninguém para a morte, mas para a aliança consigo para sempre. A vida da ressurreição não pode ser imaginada como cópia do modo de vida deste mundo.

2Tessalonicenses 2,16-3,5 – Resistir na tribulação .  A comunidade cristã não precisa temer o final dos tempos. Ao contrário, deve agradecer a Deus, pois, ouvindo o Evangelho, abraçando o compromisso da fé e abrindo-se para dar o testemunho de Jesus Cristo, ela já se encontra no caminho da salvação. O importante é continuar fiel à tradição apostólica e dar testemunho da fé através do anúncio e da prática do bem. Ao lado da prática da fé, a oração em favor dos evangelizadores exprime a solidariedade no testemunho e na difusão do Evangelho.

<< Voltar