Vigésimo Sétimo Domingo do Tempo Comum

Fé e gratuidade constroem um mundo novo

Estudando a história do nosso país, chegamos a uma constatação: entra regime , sai regime, e tudo permanece como está. Pior ainda: a onda de violência na cidade e no campo e espiral da opressão crescem sempre mais. Há violência que vem de dentro, e violência que vem de fora. Como põe fim a essa escalada? Qual é a proposta de Deus? (I leitura).

Os cristãos recebem a tarefa de levar adiante o projeto de Jesus. Mas as crises e fracassos dificuldades a implantação desse projeto. O que Jesus nos tem a dizer a respeito disso? (evangelho).

Cada cristão recebeu no Batismo o compromisso de construir a sociedade justa e fraterna. Às vezes, porém, os sofrimentos e dificuldades parecem ser maiores que nossas forças. E a tentação é a de nos envergonhamos, omitindo-nos de dar testemunho. Paulo nos ilumina e encoraja com seu exemplo e palavra (II leitura).

Habacuc 1,2-3;2,2-4 : Como Javé desmantela o círculo vicioso da opressão na história.  Habacuc se defronta com o problema da opressão e da violência: em nível tanto internacional como nacional, os fortes oprimem os fracos, e Deus parece não resolver a questão. Vários profetas explicavam a situação, mostrando que os inimigos exteriores eram instrumentos com que Deus castigava o pecado do povo. Habacuc rejeita essa explicação, mostrando que também os inimigos externos são opressores. Diante disso, em que situação fica o justo?2-4: O profeta constata o caos social: os fortes oprimem os fracos. Estes recorrem ao tribunal, mas a justiça está esquecida e o direito é distorcido. E Deus, ignora tudo isso?

Lucas 17, 5-10 : Fé e gratuidade caracterizam a vida do cristão.  Lucas reúne aqui sentenças de Jesus sobre o escândalo, a correção fraterna, o perdão, o poder da fé e a necessidade de estar desinteressadamente a serviço de Deus. São atitudes fundamentais para a vida do discípulo de Jesus.

2 Timóteo 1,6-8.13-14 : Testemunhar em meio aos sofrimentos. A vida cristã se inspira no caminho e prática de Jesus, que se resumem na vivência do amor, isto é, na capacidade de se relacionar, respondendo a situações concretas. 8-11: Em Éfeso, alguns se apresentam como doutores da Lei, mas transformam a Lei em especulações dogmáticas, esquecendo-se do verdadeiro papel da Lei. De fato, a lei existe para mostrar o erro e evitar que os conflitos de interesse cheguem a níveis de destruição, causando exploração, opressão e morte. Para os que vivem do amor evangélico, a Lei não tem mais sentido, pois o amor é muito mais exigente do que a Lei. A sã doutrina é a tradição apostólica, isto é, o testemunho do apóstolo, que orienta todo o pensamento e prática dos cristãos, de acordo com o testemunho de Jesus Cristo. 12-14: Em meio à confusão de ideias e interpretações, é importante voltar sempre ao sentido profundo e primeiro do Evangelho: Deus enviou Jesus ao mundo, não para condenar, mas para salvar os homens.

<< Voltar